Paralisação dos caminheiros continua pelo 7º dia consecutivo - TV interativa #CHEGAJUNTO

Publicidade


Paralisação dos caminheiros continua pelo 7º dia consecutivo

Share This





Após sete dias desde o início da paralisação de caminhoneiros em todo o País contra o aumento do combustível, alguns trechos de rodovias permanecem com tráfego lento em função dos protestos.

A diminuição dos pontos de protestos ocorre um dia depois do ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, ter afirmado que levará ao governo três novas propostas para tentar dar fim às paralisações.

Os pontos em análise são fazer o desconto de 10% no valor do diesel nas refinarias, de R$ 0,41)chegar às bombas, aumentar a congelamento de reajustes no combustível de 30 para 60 dias e deixar de cobrar pelos eixos suspensos no pedágio.

Os representantes dos grevistas informaram que deverão consultar os caminhoneiros parados nas rodovias para veririficar se a oferta é suficiente para encerrar o movimento que teve início na segunda-feira (21).

A paralisação provocou o desabastecimento em diversos setores que dependem do combustível como avião, alimentação, saúde, educação, entre outros. Na manhã deste domingo, a Infraero registrou 14 aeroportos com falta de combustível e há registros de lentidão em rodovias de diversos estados.

De acordo com um balanço pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) divulgado na noite de sábado (26), haviam sido registrados 586 bloqueios em rodovias brasileiras e 577 pontos tinham sido desbloqueados.

Acompanhe a seguir as condições das principais vias:

São Paulo

O Governo de São Paulo informou no final da manhã deste domingo, que os bloqueios em rodovias paulistas cairam quase 80%. Por volta de 7h, registrou-se 35 interrupções em vias estaduais e duas em federais. Na Autopista Régis Bittencourt, que liga São Paulo (SP) a Curitiba (PR), há lentidão entre os km 280 e 279, sentido norte devido a manifestações. Do km 277 ao km 278, em Embu das Artes (SP), sentido sul, também há trechos de congestionamento em função dos protestos. Também foram registrados trechos de congestionamento devido aos protestos entre os km 385, na região de Miracatu (SP), sentido sul (PR).

A rodovia Anchieta, que liga São Paulo ao litoral sul do Estado, tem um ponto de manifestação de caminhoneiros na região do Planalto. A categoria bloqueia o acostamento do km 23 ao km 25, no sentido litoral. Segundo a Ecovias, concessionária que administra a estrada, não há reflexos no tráfego.

Na Anhanguera, o tráfego está lento no km 148, em Limeira, nos dois sentidos. Raposo Tavares também registra ponto de bloqueio no km 168, em Itapetininga, sentido interior.

A Dutra, principal ligação de São Paulo ao Rio de Janeiro, no km 166, 162, 166 e 159 em Jacareí, sentido RJ; no km 186 em Santa Isabel; no km 154 em São José dos Campos, sentido RJ; no km 130,7 em Caçapava, sentido SP; no km 92 em Pindamonhangaba em ambos os sentidos e no km 52 em Lorena, sentido SP.

Os acessos ao porto de Santos, tanto pela cidade como pelo Guarujá, seguem bloqueados.

Minas Gerais

A rodovia Fernão Dias, que liga Belo Horizonte a São Paulo, registra diversos pontos de bloqueio neste domingo. São eles: no km 949, em Extrema, sentido norte; no km 691, em Lavras, ambos os sentidos; no km 677, em Perdões, sentido sul; no km 692, em Lavras, sentido sul; no km 680, novamente em Perdões, sentido sul; no km 589, em Carmópolis de Minas, em ambos os sentidos; no km 618, em Oliveira, ambos os sentidos; no km 682, novamente em Perdões, sentido norte; no km 702, também em Lavras, sentido norte; no km 754, em Três Corações, sentido sul; no km 485, em Betim, em ambos os sentidos; no km 507, em São Joaquim de Bicas, sentido norte; no km 513, em Igarapé, em ambos os sentidos.

Os ônibus do sistema convencional não circulam em Belo Horizonte e Governador Valadares, no Leste do Estado, neste domingo (27), em razão da escassez de combustíveis causada pela greve dos caminhoneiros, iniciada há sete dias. O prefeito da capital, Alexandre Kalil (PHS), e as empresas de transporte coletivo que operam na cidade acordaram que o baixo nível do diesel estocado nas garagens deve ser usado na segunda-feira

Distrito Federal

Há cinco pontos com bloqueios. São eles: na BR-020, na altura do km 57, entroncamento com a DF 100, há interdição parcial da via. O trânsito segue normal para veículos de passeio. Na BR-040, em Cristalina (GO), km 95, ocorre interdição parcial. Há cerca de seis caminhões parados no acostamento em cada um dos sentidos. A BR-060, no km 14, há interdição no acostamento sentido norte. Caminhões encontram-se parados no acostamento. Ônibus e veículos de passeio conseguem circular normalmente. No km 30, há interdição no acostamento sentido sul. Caminhões encontram-se parados no acostamento. Ônibus e veículos de passeio conseguem circular normalmente. Já a BR-070, no km 14, o movimento segue parando apenas veículos de carga. Os caminhões estão fora da pista e a manifestação não causa prejuízos ao trânsito. Na BR-080, no km 39, os manifestantes barram os veículos de carga (liberados perecíveis, remédios). Os motoristas que não aderem ao movimento tem a opção de retornar. Local segue sem engarrafamentos.



Caminhoneiros protestam na rodovia Presidente Dutra, em Jacareí (SP)Nilton Cardin / Estadão Conteúdo / 27.05.2018

Goiás

O governador José Eliton (PSDB) informou que irá editar decreto que coloca Goiás em estado de emergência devido aos protestos de caminhoneiros nas rodovias goianas. Com o decreto, o governo pretende garantir a entrega dos materiais, intensificando a escolta de combustíveis e de materiais para as áreas de saúde e segurança pública, prioritariamente.

Para tanto, o documento determina a utilização das forças de segurança do Estado “para o apoio e a circulação dos meios de transporte necessários à distribuição de gêneros de primeira necessidade e a prestação de serviços essenciais”. O texto também prevê a possibilidade de requisição de materiais de propriedade particular e estabelece esquema de plantão permanente de todas as forças de segurança do Estado, inclusive, com a suspensão de férias.

Na BR-153, caminhoneiros realizam manifestação na manhã deste domingo, na altura de Goiânia — mais de 500 caminhões estão no ato. A PRF informou que são 71 pontos de bloqueio - 35 em rodovias federais do Estado do Goiás.

Rio Grande do Sul

O Estado com maior número de estradas com pontos bloqueados é no Rio Grande do Sul, com 97. Seguido de Santa Catarina, com 67, e Paraná, com 60. Neste domingo (27), caminhoneiros seguem protestos em Santa Rosa, no Noroeste do Estado, neste sábado. Mais de 150 caminhões estavam parados em um posto na BR 472, que liga os municípios de Santa Rosa e Três de Maio.

Paraná

Ao todo, são 251 pontos de interdição em rodovias estaduais e federais no Paraná. Os pontos mais críticos na manhã deste domingo são: Posto Costa Brava, na BR-116, sentido São Paulo; Contorno Sul, perto do posto Túlio, no km 67; BR-277, próximo ao Posto Paris, perto do pedágio, e na rodovia Régis Bittencourt, no km 68 ao 67, em Campina Grande do Sul.

Em Ponta Grossa, nos Campos Gerais, não houve transporte público neste sábado e não há previsão de quando a frota irá voltar a circular. Em Maringá, no norte, dez linhas não irão funcionar neste domingo por falta de estoque de combustível. Já em Umuarama, no noroeste, as linhas estão circulando, mas com ônibus a menos, aumentando o tempo de espera dos passageiros.

Em Cascavel, no oeste, neste domingo nenhuma linha irá sair para as ruas e nesta segunda-feira, voltam a funcionar em três horários: 6h às 8h30, 11h30 às 14h e das 17h às 19h. Já em Foz, neste domingo e segunda os ônibus circulam em horários reduzidos. Em Guarapuava, os ônibus funcionam até às 18h.

Balanço

No início da manhã de sábado, eram 387 pontos bloqueados e 132 liberados. Mas no decorrer do dia, a PRF apresentou novos índices. No início da tarde, a PRF informou que o número de pontos de manifestações identificados em rodovias federais tinha aumentado de 938, registrados na sexta, 24, para 1.140.

Desse total de 1.140 identificados, 544 pontos foram liberados ainda no sábado. Entretanto, o número de pontos que continuavam bloqueados, ainda que parcialmente, de sexta para sábado aumentou, de 519 para 596 - ou 52% do total de trechos com alguma manifestação. Segundo a PRF, esse número tem alta toda vez que há uma dispersão, pois grupos tendem a se espalhar e acabam interferindo em outros pontos. r7

Nenhum comentário:

Postar um comentário